segunda-feira, 9 de julho de 2007

Roupa Nova

Três estudantes de jornalismo e uma missão: entrevistar um dos grupos de maior sucesso da música brasileira, o Roupa Nova.

Na sexta-feira, 06 de julho, eu, Martha Maciel e Paula Faria estávamos lá no La Rocca, casa de espetáculos em Juiz de Fora, para realizarmos uma entrevista com o Serginho, o Paulinho, o Kiko, o Cleberson, o Nando e o Feghali. Esses são os caras que compõem a banda de três décadas de sucessos.

Tivemos a oportunidade de assistir à passagem de som do grupo e, em seguida, pudemos conversar com eles. Todos nos atenderam com muita atenção e concederam as entrevistas com tranquilidade e simplicidade.

Ficamos para assistir ao show que começou às 00h20. Estranhamente, o Roupa Nova já estava pronto para subir ao palco às 23h15... Por falar em coisas estranhas, de repente, acaba a energia elétrica e o som vai embora. Quer dizer, vai embora das caixas de som, porque a galera canta com vontade o sucesso "Whisky a Go-Go", apoiando o grupo. Gente indo de um lado para o outro do palco, os artistas tensos com a situação, aquela cena comum de imprevistos. Depois do acontecido, Ricardo Feghali esclareceu: "É que o gerador não agüentou a nossa potência. O Roupa Nova tem muita potência!". E o show foi retomado, encaminhando-se para o final.

A tarefa básica de um estudante é aprender. E, de fato, aprendemos bastante nessa empreitada. Aprendemos que jornalistas têm de se acostumar com os imprevistos. A coletiva de imprensa que estava marcada para acontecer às 17h00 só foi se concretizar depois das 19h30. Tudo bem. A paciência de estudantes deslumbrados permite e nem se importa com essas coisas.

Valeu, Roupa Nova! Obrigado, Martha e Paula!

Até a próxima!

Amar é...
Cleberson Horsth - Ricardo Feghali

Amar é quando não dá mais pra disfarçar
Tudo muda de valor
Tudo faz lembrar você
Amar é a lua ser a luz do seu olhar
Luz que debruçou em mim
Prata que caiu no mar

Suspirar, sem perceber
Respirar o ar que é você
Acordar sorrindo
Ter o dia todo pra te ver

O amor é um furacão, surge no coração
Sem ter licença pra entrar
Tempestade de desejos
Um eclipse no final de um beijo
O amor é estação, é inverno, é verão
É como um raio de sol
Que aquece e tira o medo
De enfrentar os riscos, se entregar


Amar é envelhecer querendo te abraçar
Dedilhar num violão
A canção pra te ninar

Um comentário:

Barbara disse...

Só gostaria de dizer que eu fiz parte disso, embora o Edson tenha esquecido de me citar... Mas tudo bem, continuo a apoia-lo e a dar as caronas. Parabéns por mais essa etapa, e que continue sendo eficiente em tudo o que faz, mas da proxima vez quero ficar até o fim, viu!?