segunda-feira, 26 de maio de 2008

Do travesseiro

Você acha que um travesseiro pode mostrar algo sobre cultura? Em princípio, não via nenhuma possibilidade para isso, mas depois do que experimentei ontem mudei meu ponto de vista.

Cheguei na rodoviária em Haugesund com a minha bagagem e um travesseiro na mão. Na verdade, o travesseiro não era nem meu: era da Cirene (minha team mate), pois ela esquecera na casa da sua família norueguesa e eles me pediram para entregar. Enfim, carregava-o tranquilamente.

Coloquei minha mala no bagajeiro do ônibus e me dirigi até à porta a fim de embarcar. Foi aí que encontrei um moço que trabalha na empresa. Ele olhou para o travesseiro, olhou para mim, olhou e apontou para o travesseiro novamente e disse:

- Nós não temos cama no ônibus.

Eu me surpreendi com a pergunta, mas procurei responder, explicando que eu não tinha a intenção de dormir, mas preferi carregá-lo na mão a deixá-lo no bagajeiro. Ainda sem compreender bem aquela situação, subi no ônibus, fui pagar minha passagem (na Noruega, você compra as passagens na hora que embarca, com o motorista). Ao adentrar no corredor do ônibus e procurar o meu lugar para assentar, um senhor que se assentava no primeiro banco comentou:

- Sabe, até que não é má idéia trazer um travesseiro para dentro do ônibus!

Seguia meu caminho, procurando uma poltrona vaga. Os olhos noruegueses olhavam curiosos para aquele cara com cabelo escuro que entrava no ônibus segurando um travesseiro.

Por fim, encontrei dois bancos vasos e me assentei. Fiquei na cadeira do corredor e deixei o travesseiro viajar na poltrona da janela.

Um comentário:

Cacau disse...

Essa do travesseiro foi engraçada... Aqui é tão comum levar em viagens... rssss!
bjokas!
Cássia